terça-feira, 23 de março de 2010

Morrer, sem viver… o pecado!




Uma noite adormece no fundo da rua


Uma fé abandona o seu entender


De uma janela entre aberta


Vejo meu mundo forte, sem norte, morrer

.



Uma rua de gente fica deserta


Um homem se olha num olhar vazio


Lamentam-se vitórias, gritam-se derrotas


Campos de batalhas, espadas a frio

.



Um sol se perde encostado ao mundo


Sonham os sonhos de olhos abertos


Lamento encostado a meu ombro


Viagens, sem partidas e regressos

.



Um riso zomba de sentidos sentimentos


Restos de amor ficam perdidos no chão


Provam-se venenos, mordem-se as pedras


Aprende-se a calar, a dor numa paixão

.



Um cais pede ao barco que não parta


Bem fundo da alma, ouve-se o mar chamar


Segura-se um coração, que um dia rebenta nas mãos


Num secreto adeus, ao verbo amar

.



Sei que não sei se mereço… grito aos ventos


Sei que tudo se (a)paga, no preço, entorpeço


Entre degraus e patamares dos sentimentos


Levanto-me a cada passo, na certeza do incerto

.



Para quê o universo, se já pouco me conheço?


Para quê querer a chave, se a porta está aberta?


Para quê querer um mapa, se o tesouro está na mão


Para quê querer chegar, se não sei onde é a meta?

.



Quem me furta, das noites, as tormentas?


Quem me diz, que nem tudo é um deserto?


Quem me apaga da memória a história?


Quem me diz que cheguei, ou já estou perto?

.



Um homem chega ao túmulo da recordação


Fecham-se os olhos, um céu fica cerrado


Enterra-se um poeta nas terras da paixão


Morre-se, mas com honra… sem viver o pecado!

.

.

Obrigado a todos pelas visitas

E comentários… bem-hajam!

.


-Moisés Correia-

13 comentários:

  1. eu adoro visitar aqui, nem precisa agradecer, pq seus poemas são otimos.

    bjosss...

    ResponderEliminar
  2. ...''Quem me diz se cheguei ou já estou perto''?
    Apenas o teu coração e apenas a certeza que sentires quando atingires a plenitude total...
    Um abraço grande e parabéns.
    Vera Lucia

    ResponderEliminar
  3. Amigo Moisés.
    Muito lindo o teu pecado. Pecados de poetas são mesmo assim. Pecamos com sentimento.
    Um abraço
    Victor Gil

    ResponderEliminar
  4. Gosto de pensar que um corpo morre, mas sua mente se eterniza.
    Em cada palavra dita e escrita, revive o homem.

    bjos adorei o post lindo de mais

    bye

    ResponderEliminar
  5. Oi amigo.
    Nem precisa agradecer, é sempre delicioso poder vir aqui e ler essas maravilhas.
    Amei o post.
    Beijos.

    ResponderEliminar
  6. Belíssimo, poeta! Adorei...

    Abraço

    ResponderEliminar
  7. Muito bem, Moisés. Uma alma extremamente sensível se abre nos teu versos.
    Abraço amigo.

    ResponderEliminar
  8. Poetas são "fingidores" e pecadores por natureza ou a poesia não existiria nem esta beleza que se encontra aqui!

    Um beijo saudoso!

    Sonia Regina.

    ResponderEliminar
  9. Sensacional sua postagem.
    Essa abertura com a maçã e a música, tem tudo de belo!
    Beeiijooss!!

    ResponderEliminar
  10. "Amar é ter um pássaro pousado no dedo.
    Quem tem um pássaro pousado no dedo
    sabe que, a qualquer momento,
    ele pode voar."

    ResponderEliminar
  11. Curtindo seu blog e sua arte poeta valeu!

    ResponderEliminar
  12. Olá Moisés!
    Adorei teu blog!
    Tem q ser um passeio sem pressa, pra não
    perder kda detalhe...

    =)
    abç

    ResponderEliminar

Um pensamento, uma reflexão,
um comentário …
Caloroso abraço de sua opinião
com sorriso de entusiasmo
de eterna Gratidão…