segunda-feira, 25 de janeiro de 2010

Pai…




Pai… tu que tens teu destino igual ao meu


Recordo-me de tudo e a cada momento…


Acompanhando a meio jeito, cada passo teu


Esse teu caminhar, com olhos fitos no firmamento!



O viver, sem demasiada ambição e maldade


Nesta existência humana, que parece adormecida…


Encaminhas-me a cada instante para a estrada da verdade


Ensinas-me a ser igual… a quem nos deu a vida!



Esse teu brio que descende desse teu passado humano


Me faz ter e ver, a mesma força e formação moral…


Deste meu e nosso destino, que tão bom me ufano


E que me faz ser hoje, um pai tão semelhante e igual!



Outrora em outros tempos, estive tão afastado e distante


Mas afinal, sempre estive aqui, tão longe e tão perto…


Que me fez ver que nesta vida, de um viver errante


Que nem tudo é errado… e nem tudo está certo!



Pensei que fosse mais fácil escrever-te um poema


Mas vejo que é tão difícil, igual a vida que desfrutaste…


Igual aos pés, que descalços caminharam num dilema


Correndo campos de histórias que hoje me contastes!



Hoje, vejo esses passos feridos pelos espinhos que não se vê


Hoje sinto essas mãos calejadas por tanto proteger…


Que falam numa linguagem, que nem toda a gente crê


Mas que brilham, num coração que sabe o que é sofrer!



Hoje sei pai, que ser pai… é não esperar recompensas!


Mas ficar feliz, caso elas cheguem em tempo atroz…


É na incompreensão, tolerar falhas e desavenças


Aprendendo errando, na hora de falar ou de calar a voz!



É o ter coragem de seguir em frente para a vida ou morte


É saber e calar, fazer e guardar, dizer e insistir…


Viver grandezas e fraquezas de um filho, fazendo-se de forte


É ser bom sem ser fraco… e chorar sem a lágrima cair!



Ser um bom pai… é o que foste, és e serás para sempre


Um pai presente, constante… o melhor amigo!


E só peço ao pai de toda a gente, que nos céus nos vê omnipotente


Que permaneças entre nós, nesse amor que aprendi contigo!



Que permaneças em ser quem és… meu pai!


Com um abraço deste teu filho que te ama,


Do tamanho do teu ser…


.


-Moisés Correia-





12 comentários:

  1. Amigo...
    Tanto tempo faz que aqui não apareço
    já deve ter esquecido da rosa amiga... :(

    Pois é, ando mesmo muito ausente de tudo...!

    Mais não me esqueci de ti..

    vim deixar um beijo em teu coração...
    beijo doce da rosa amiga
    Iana!!!

    ResponderEliminar
  2. O amor e a gratidão a quem nos trouxe a vida é sempre bonito de se ver e ler...
    Quando passamos a ser pais é que entendemos muitas coisas em relação ao que eles passaram por nós. Costumo dizer que somos todos crianças aprendendo a viver e conviver.
    Tenho certeza de que você é um pai exemplar, que deseja o melhor para os seus filhos.
    Tudo o que eu posso lhe desejar é que esse amor cresça a cada dia mais e que o espelho da vida sempre reflita o que há de melhor em vossos corações.
    Um abraço carinhoso

    ResponderEliminar
  3. Nossa, nunca li um poema dedico aos pais tão lindo quanto este.
    Me tocou profundamente e não tive como não chorar.
    Lindo, perfeito!
    Beijos em seu coração amigo.

    ResponderEliminar
  4. *Quanta riqueza em suas palavras.
    *Percebe-se o amor e a admiração nas linhas e entrelinhas.
    *Um suave bater de asas em seus pensamentos

    ResponderEliminar
  5. Olá querido
    Bela homenagem, só valorizamos quando vivemos a situação.
    Com muito carinho BJS.

    ResponderEliminar
  6. Olá gostei muito do seu blog, retrata bem sua forma de pensar, me identifico com esses poemas. Sou m pensador urbano também.

    Parabéns. Visite meu blog também e seja meu seguidor também.

    ResponderEliminar
  7. Lendo a primeira vez, lembrei do meu pai e me emocionei, senti saudades e quis tê-lo comigo novamente.

    Lendo pela segunda vez, lembrei do nosso Pai e pude sentir Sua presença tão perto...

    Muito lindo!

    Forte abraço da Luciana (Catadora de Palavra)

    ResponderEliminar
  8. Um poema pleno de belas imagens e palavras... Gostei muito. É uma homenagem, elogio ao progenitor.
    Quantas vezes escrevo ao meu que já se foi! Nem sei. Tenho-o no coração, tal como se sente neste poema.

    ResponderEliminar
  9. "Se eu queria enlouquecer, essa é minha chance. É tudo que eu quis..."

    ResponderEliminar
  10. Sempre é bom vir aqui.
    Amei o poema!
    Beijinhos!

    ResponderEliminar
  11. Menino, este poema ao pai é um hino, maravilhoso. tive que ler, reler e se mais tempo tivesse ficava lendo aqui, parabéns pra tua alma de filho. Há tanto tempo não vinha aqui, volto novamente depois em março.
    Grande beijo no coração, abraços na alma.
    Cleo

    ResponderEliminar

Um pensamento, uma reflexão,
um comentário …
Caloroso abraço de sua opinião
com sorriso de entusiasmo
de eterna Gratidão…